Curso gratuito proporcionará o melhor entendimento sobre o Sped fiscal, que entrará em vigor em 2018

sped

Instituído pelo Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007, o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) fiscal, que integra o Programa de Aceleração do Crescimento do Governo Federal, entrará em vigor a partir de 2018. Neste contexto, a Escola APAS oferece aos associados da Distrital São Paulo o curso “Sped – Unificação das Obrigações Acessórias”, que será realizado no dia 14 de junho, na Sede da entidade.

O conteúdo do curso, que será ministrado pelo consultor Diego Bisi Almada, tem o objetivo de apresentar aos supermercadistas os principais aspectos referentes ao Sped fiscal, com destaque para a montagem, conferência, edição, assinatura e transmissão do arquivo de escrituração fiscal digital.

Conteúdo

• Aspectos gerais do SPED;
• Base legal das obrigações acessórias: periodicidade, prazo e multas;
• Principais informações que deverão ser transmitidas;
• Detalhes do ramo de atividade do mercado de vendas a varejo;
• Utilização do PVA (Programa Validador e Assinador) da Receita Federal;
• Conferência e correção de informações no PVA.

Como participar?

A inscrição para todos os cursos pode ser realizada diretamente com a Regional/Distrital ou pelo Portal APAS (Clique aqui).

Vale destacar que todos os cursos estão disponíveis na modalidade “In Company”, sendo realizados no local de preferência da empresa.

Clique aqui e confira mais detalhes sobre o curso, bem como a programação nas Regionais e Distritais.

Benefícios do Sped Fiscal segundo a Receita Federal

– Redução de custos com a dispensa de emissão e armazenamento de documentos em papel;

– Eliminação do papel;

– Redução de custos com a racionalização e simplificação das obrigações acessórias;

– Uniformização das informações que o contribuinte presta às diversas unidades federadas;

– Redução do envolvimento involuntário em práticas fraudulentas;

– Redução do tempo despendido com a presença de auditores fiscais nas instalações do contribuinte;

– Simplificação e agilização dos procedimentos sujeitos ao controle da administração tributária (comércio exterior, regimes especiais e trânsito entre unidades da federação);

– Fortalecimento do controle e da fiscalização por meio de intercâmbio de informações entre as administrações tributárias;

– Rapidez no acesso às informações;

– Aumento da produtividade do auditor através da eliminação dos passos para coleta dos arquivos;

– Possibilidade de troca de informações entre os próprios contribuintes a partir de um leiaute padrão;

– Redução de custos administrativos;

– Melhoria da qualidade da informação;

– Possibilidade de cruzamento entre os dados contábeis e os fiscais;

– Disponibilidade de cópias autênticas e válidas da escrituração para usos distintos e concomitantes;

– Redução do “Custo Brasil”;

– Aperfeiçoamento do combate à sonegação;

– Preservação do meio ambiente pela redução do consumo de papel.

Fonte: http://sped.rfb.gov.br/

Foto: http://www.contabilidade.inf.br/2013/12/o-que-e-o-sped-sistema-publico-de-escrituracao-digital/



Notícias relacionadas


Últimas Notícias


menu
menu